Quinta, 19 de Outubro de 2017
Por Kimberly Carvalho  |  2017-06-11 00:33:29
A+ A A-

Como chegamos a tal situação?

Durante a história de nosso país vivenciamos diversos momentos de tensões políticas e crises econômicas. Neste exato momento, porém, experimentamos a mais assustadora das crises, o colapso moral e ético. Este se realiza em todos os patamares da sociedade, desde as autoridades até as pessoas comuns. Digo isso, porque, quando ouço de um cidadão que se tivesse a oportunidade, faria o mesmo que muitos políticos fizeram (corrupção), é possível ver o quanto a sociedade brasileira sofre com a mais assombrosa crise, a crise moral. Onde nos perdemos? Que caminhos trilhamos nas últimas décadas?

Quando vemos em nosso país o avanço da corrupção nesta dimensão, não apenas nos assusta, mas fica a pergunta: como deixamos que a situação chegasse a este ponto?  O discurso populista, infelizmente, atrai a muitos; é como se a sociedade ficasse em uma espécie de transe. Mas o porquê disso? Os ideais revolucionários alcançaram, com sucesso e glória, seu maior objetivo, afetar em cheio a cultura. A revolução cultural no Brasil alcançou patamares elevadíssimos e realmente se efetivou, e para muitos é reconhecida como cultura brasileira, a música e toda a expressão artística que utilizam a cultura como meio de propagação da imoralidade, o uso indiscriminado da droga, o pensamento de que o indivíduo que infringe a lei pratica tais ações, porque é uma vítima do sistema que o oprime, e que o faz apenas por fator racial ou socioeconômico. Como grande expoente da revolução cultural, Antônio Gramsci tinha por objetivo invadir as escolas, universidades, igrejas e famílias com os ideais revolucionários. Assim, sem a força e sem o uso de armas, implantar o mundo ideal comunista, sistema que só é possível quando tais pilares estruturantes são totalmente abalados.

A partir deste breve esclarecimento fica a pergunta: quais caminhos, enquanto nação, queremos traçar daqui para frente? Que futuro queremos para a nossa nação?

Siga o CanaãBRASIL no Twitter e no Facebook  

LEIA TAMBÉM

DEIXE SEU COMENTÁRIO

* E-mail:
* Senha:
Seja o primeiro a comentar esta matéria!